Skip to content

Dizzy presidente, Malcom X PGR

DizzyPresident

Na Folha de 26/4, Reinaldo Figueiredo fala sobre a campanha “Dizzy para presidente”. Lendo a coluna, parece que foi brincadeira, mas o assunto era sério.

Os broches com a inscrição “Dizzy for president” começaram como brincadeira por volta de 1960, mas ideia de levar adiante a candidatura nasceu quando Dizzy viu algumas pessoas usando os broches na marcha pelos direitos civis, em Washington, em agosto de 63.

DizzyButton

A campanha foi usada como veículo contra discriminação racial (o dinheiro arrecadado com a venda dos broches ia para a CORE – the Congress of Racial Equality).

Pra dar uma ideia, essa é uma gravação de 1963, auge da campanha. Dizzy e banda vão tocar Manhã de Carnaval, que Dizzy anuncia como “música do filme Black Orpheus” (Black Orpheus é como a música também é chamada nos EUA). Dizzy pede desculpas por usar a palavra “black”. James Moody em seguida diz “You can say black! It’s OK–Malcolm told me”. Dizzy responde: “Everything must be cool, if Malcolm says it’s ok!”. Por alguma razão, Figueiredo omite o nome de Malcom X da lista de pessoas que fariam parte do governo Dizzy. De acordo com a entrevista de Dizzy à DownBeat, Malcolm X seria o procurador geral da república.

Alguns trechos da entrevista:

  •  “They don’t teach the kids about the dignity of allmen everywhere… I say education, yes; but the white people are the ones who should be educated into how to treat every man.”
  •  “I would like to see that everyone had enough to eat and some clothes and a decent place to stay. Everybody, every citizen, is entitled to that. Education would be beautiful, free, subsidized by the government. All of it. Anytime you wanted to learn something, I’d pay you to do it. Hospitalization would also be free.”
  • “Resuming relations with Cuba, and recognizing Communist China because it would make economic sense. All of a sudden you wake up and there’s 700 million more people to sell something to”
  • “If I were President, I’d get out of there (Vietnam). I’d say, look, y’all got it, baby. Yeah, good luck.”